quarta-feira, 24 de dezembro de 2014


"Melhor do que todos os presentes por baixo da árvore de natal é a presença de uma família feliz."
Desconhecido


    Lamento por aqueles que não apreciam o Natal. Porque criam a ideia de que é uma época fútil e carimbada com o tão capitalista consumismo. Ou porque não têm, de facto, grandes razões para o celebrar. Lamento. Não obstante, desejo um Feliz Natal a estes e também a todos os que vivem o espírito da época, que gostam de acordar ao som de músicas natalícias, de saborear os etéreos doces e bolos tradicionais, de abraçar a família neste dia abençoado.
    O Natal não é uma época consumista. O Natal é só mais uma altura do ano em que as pessoas consumistas exteriorizam os seus desejos de aquisição de bens materiais e a apetência de oferecer para poder receber. Mas como tudo na vida, existe a regra e existem as excepções. O Natal é para ser vivido de acordo com o que pensamos e sentimos, como tudo na vida também. E o dia de hoje é, para mim, a celebração da família que tenho, que reconheço ser um presente tão pouco partilhado por muitas pessoas por este mundo fora. Não sou hipócrita ao ponto de não reconhecer todos os pontos que elevam este meu espírito de Natal e que me levam a viver este dia, desde o primeiro ano que me lembro, com a mesma alegria de criança. Acordar a ouvir Frank Sinatra, Michael Bublé, Wham ou Mariah Carey com as típicas canções de Natal, deliciar-me com os salgados e doces típicos, estar reunido com a família à lareira, depois do jantar, a ver filmes da Disney e, chegada a meia-noite em ponto, ouvir e saborear o frenético rasgar de papel de embrulho dos presentes, faz este dia ser diferente. Todo o conjunto de pequenos pormenores desde sons, cores, cheiros a sabores, e a alegria imensa de poder ver e sentir a minha família reunida neste dia, como em todos os outros dias do ano fazem de mim a pessoa mais feliz do mundo.

Um Feliz Natal,

Afonso Arribança

2 comentários:

Anónimo disse...

Continuas lindo! Já não me recordo de quando foi a última vez que vim ao teu blogue. Mas nestas épocas, por vezes recordamo-nos sempre das pessoas que fizeram parte das nossas vidas. Independentemente do tempo, da altura, dos erros até que possamos ter cometido para o contacto se ter quebrado... Por vezes até aquela questão que nos vem à cabeça: porquê? Porque teve que ser assim!? Erro meu, erro teu, erro nosso? Hoje em dia, penso que ninguém errou... Não me esqueço de ti, por mais que já não pertença ou até faça parte dos pequenos instantes do teu dia-a-dia. Mas ainda existe grande parte de ti, que por mais anos que passem, que vivem dentro de mim! Um Feliz e Santo Natal e espero que continues a surpreender-me com a tua escrita, com o teu ser, com a tua essência como sempre soubeste tão bem fazer! :)

Estás um Homem! Até um dia, quem sabe!

Joana Catarino disse...

Felizmente, na minha família não temos o hábito de dar prendas, só a crianças, que começam a crescer. Ligamos sim mais ao sentar na mesa e, claro, ao comer... e muito!

Uma bonita fotografia esta!