terça-feira, 20 de novembro de 2012


"Expliquei então meus sofismas mágicos pela alucinação das palavras!...
Acabei por considerar sagrada a desordem da minha inteligência."
Rimbaud



    Dias de chuva são assim. São como aquela pedra da calçada que me faz cair no meio da rua. São como a raiva que ressinto das pessoas que, tropeçando nas que querem sair da carruagem do metro, mal me deixam sair. São dias de chuva, sim. Como quando me ponho à disposição das minhas obrigações. Sem nada fazer. São dias tão ridículos, tanto quanto aquelas pessoas que confundem “essência” e “simplicidade estética” com desmazelo e inestética. Ridículo. Como os dias de chuva. Tal como aquela chuva de raiva que me consome quando me interrompem o discurso. Quando não me ouvem. Dias de chuva não me deixam ouvir-me; é o silêncio e o deserto. E não há nada mais despótico do que isto, nem de longe nem de perto: perder-se o tempo neste tempo, a natureza derramada nas suas lágrimas, tão desnecessárias como a podre existência do ser humano. Dias de chuva alastram-se em mim como uma praga, conjuro inexorável, agonizante, desumano. Como se a minha própria mente se aproveitasse dos dias de chuva para me silenciar. Me corromper a vontade de sorrir à mais inútil das criaturas que se atravesse à minha frente. Que tirania esta, a da minha fragmentada personalidade, imiscuída da minha própria vontade, absenta da minha determinação.
    Dias de chuva são assim. Moribundos. Cinzentos. Enquanto espelho, mimetizo a sua essência, perdendo-me num decadente e onírico sentimento de inutilidade e negridão interna. Mas são dias de chuva. Apenas.

Afonso Arribança

4 comentários:

Bolacha Sofia disse...

dia de chuva são dias para ficar na cama ou no sofá, a dormitar e a ver filmes. Dias de chuva são dias para não pensar em nada, ou pensar em tudo enquanto viajas em transportes e a chuva bate na janela. acima de tudo, dias de chuva são dias de dor de cabeça.
btw, esta musica é muita gira :D

Lu disse...

Tenho de ser a favor dos dias de chuva. São bons, são precisos, fazem-nos bem à alma porque fazem uma "limpeza" nos pensamentos. :)

Gosto da tua escrita. ;)

Lia disse...

Não comento o texto porque não há nada a acrescentar, mas esta música.... É perfeita! <3

Paula disse...

dias de chuva aqueles que nos penetram a mente e a alma sem pedir licencia e autorização. os piores são esses os que nos entram e não pedem licença. aqueles que fazem parecer chover mais dentro de nós que na rua chuvosa que pretendemos atravessar.