sábado, 25 de fevereiro de 2012


"Todas as cartas de amor são ridículas.
Não seriam cartas de amor se não fossem ridículas."

Álvaro de Campos


    Ele representava o sol. Ela representava a lua.
    Todos os dias se viam e todos os dias o sol iluminava a lua, dando-lhe ânimo e vivacidade, sem que, todavia, em algum momento se pudessem tocar... Nenhum dos dois tomaria, alguma vez, consciência dos afectos surgidos, sentindo apenas uma enorme força que os unia... e os separava. Esta não é uma história sobre amor.

Afonso Costa
in 'Cartas ao Mar'

4 comentários:

Moonlight disse...

Afonso,

Não imaginas a quantidade de valor transportam as tuas palavras,hoje,para mim.Sem terem absolutamente nada a vêr comigo :)

Não era mesmo uma história de
Amor.....

Bj com luar

Moonlight disse...

Afonso,

Não imaginas a quantidade de valor transportam as tuas palavras,hoje,para mim.Sem terem absolutamente nada a vêr comigo :)

Não era mesmo uma história de
Amor.....

Bj com luar

Ana disse...

='

Daniel Silva (Lobinho) disse...

L I N D O!