sábado, 13 de março de 2010


“A hora de viver é um ininterrupto lento rangido de portas que se abrem continuamente de par em par.”
Clarice Lispector

Quando andei sozinho pelo deserto, aprendi duas coisas elementares. Que no silêncio do nada nos encontramos mais facilmente do que com palavras, ou banais conversas com outras pessoas, e que por vezes nos cruzamos com portas que nos aparecem abertas, mas que por vezes, devemos optar por as deixar abertas, intocáveis, pois à medida que entrássemos por uma dessas mesmas portas, outras – quiçá melhores opções – se fechariam no mesmo instante. A vida é sempre feita de escolhas e que nunca mas nunca ousemos tentar seguir dois caminhos ao mesmo tempo, pois o fim do homem, salvo as vezes em que escolhe o caminho errado, é (quase) sempre quando escolhe dois caminhos opostos…

Afonso Costa

8 comentários:

Qel disse...

«A vida é sempre feita de escolhas (...)».
Esta frase diz-me tanto.. E eu gosto destes teus "devaneios", afonso-into-the-wild :) *

Joana disse...

A nossa vida é o resultado das nossas escolhas. Gostei muito do texto. :)

Nameless trying to be someone. disse...

este texto fez-me pensar numa das muitas questões que me andam a incomodar ultimamente: a bisexualidade será o caminho encontrado para juntar dois caminhos supostamente opostos? ou não passa de mais um rótulo ordinário inerente à condição humana?

Nameless trying to be someone. disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
filipa disse...

Fazes pensar no fim de ler isto !

Mara disse...

Fazes-me sonhar*

Alexandra disse...

Uma decisão, um caminho :)
Parece-me mais dificil largar esta personagem do que vivê-la para sempre. Seria melhor que não te tivesses identificado, desejo-te melhor que isto, Afonso :)

Um beijinho *

Alexandra disse...

Uma decisão, um caminho :)
Parece-me mais dificil largar esta personagem do que vivê-la para sempre. Seria melhor que não te tivesses identificado, desejo-te melhor que isto, Afonso :)

Um beijinho *