sábado, 3 de outubro de 2009


 [Foto: Praia da Ericeira, Outubro de 2008]

E o tempo que o ser humano precisa para aprender a cuidar melhor do chão que pisa e do ar que respira?

27 comentários:

Davie disse...

Uma coisa que eu defendo. É necessário fazer luto de algumas coisas para se seguir em frente e chegar ao equilibrio. Eu acredito-me nisso, logo o luto existe para mim.

Acho que o ser humano nunca aprende totalmente.

Martina Sb' disse...

igual ao vidro, talvez

Leto of the Crows disse...

O conjunto da espécie humana, dificilmente aprenderá... ó.ò

Bjs!

Alexandra disse...

Só damos valor a uma coisa quando a perdemos, não é o que dizem?
Ontem vi (finalmente) o filme do Al Gore, e ouvi-lo a dizer que os meus filhos não iam ter onde viver, fez-me odiar a estupidez no ser humano! *

Pedro disse...

aspessoas nem umas ás outras cuidamquanto mais do que não chama por elas...
enfim, acho que de qualquer forma temos uma memori demasiado pequena pelo que quando aprendermos a cuidar do nosso meio rapidamente o voltaremos a esquecer..

Laura Matos disse...

A verdade é que só damos valor às coisas, quando as perdemos, e temos que começar a perceber, que a Terra começa a precisar de mais atenção.

M. disse...

entre uma lata de aluminio e o vidro.

Maria Francisca disse...

Não vai aprender, ou pelo menos não por agora.
(Tenho o orgulho de dizer que as caixas de reciclagem que estão no EUL fui eu que as fiz, cortei, e pintei. Dos meus maiores orgulhos. Um dia explico-te melhor.)
Também espero encontrar-me.

mary ♥ disse...

não há tempo suficicente :/
infelizmente

obrigada pelo comentário :)

U disse...

é o tempo depois do vidro, por enquanto.

Carolina disse...

obrigadaa (:
acho que também deve ser indeterminado.

Sou a Joana disse...

Dá-lhes até 2012! Depois conversa-se.

P' disse...

O ser humano nunca aprenderá na totalidade.

OpálaSpirit disse...

em relação a alguns:igual ao virdro. :s

OpálaSpirit disse...

em relação a alguns:igual ao virdro. :s

OpálaSpirit disse...

em relação a alguns:igual ao virdro. :s

Qel disse...

...a eternidade não chegaria, com certeza.

Brid disse...

Obrigado pelo teu comentário :)

A frase tem muita força para mim, só é pena haver tão poucas pessoas a lê-la e a sentir o mesmo.

Eu tb adoro o pôr-do-sol (acho que já deu para ver pelo meu blog)eheh

Beijinhos*

filipa disse...

sabe-se lá quando é que ele vai conseguir pensar no que o rodeia, em vez de só pensar nele próprio.

Marianita disse...

infelizmente achoq ue como ao vidro, indeterminado.

Paladar disse...

há pessoas que aprendem depressa e cumpre os seus deveres perante a natureza mas outras vão ser inconscientes e responsáveis o resto da vida.

[ rod ] ® disse...

e ainda reclama quando a natureza se defende... abs.

diana disse...

Com o ser humano, creio que é mesmo indeterminado, tal como o vidro. Infelizmente.

Zita disse...

É tanto tempo quanto o tempo que a Terra ainda durar. Quando o planeta morrer ele aprende (?)

*

Spiritual disse...

E o tempo que o ser humano precisa para aprender a lidar consigo próprio? É capaz de ser mais ou menos o mesmo! ;) Afonso, sou a porcelain doll; depois das imensas mudanças que ocorreram lá pelos meus cantos nos últimos meses, acho que consegui sossegar um bocadinho aqui: http://spiritualandnonreligious.blogspot.com/, sob um novo perfil ;)

Convido-te a uma visitinha; fica a promessa de que voltarei a passar por aqui com mais tempo, ler com atenção e comentar, sim?

Beijinhos!

Madu disse...

penso que é o "indeterminado" do vidro.
pelo menos por agora o ser humano nao se vai dar sequer ao trabalho de tentar.

Madu disse...

penso que é o "indeterminado" do vidro.
pelo menos por agora o ser humano nao se vai dar sequer ao trabalho de tentar.