sexta-feira, 8 de maio de 2009

Pegadas na areia...


Foto: ao pôr-do-sol, Cuba (30 de Abril de 2009)

Olhos verdes ao sol nascente,
Olhar que envolve ao sol poente,
És um tudo, um nada que se sente,
Puro, apaixonante, envolvente.

[escrito a 6 de Março de 2009 durante uma aula]

Passaram 8 meses.

Existem pegadas que o mar apaga. Outras que não...

17 comentários:

baby piggy disse...

Um dia vão ser cobertas por outra areia, nova.
Força Fonfas :D está lindo!
(VERDE!)

<3

AnaLuísa disse...

foto linda, versos lindos :) *

Por entre o luar disse...

Pois mas as que ficam... devemos encará-las como crescimento e que tudo tem o seu lado bom=)

Lado positivo da vidaaaa aFonsoxD

Maria Francisca disse...

Adorei. :)
Talvez essas pegadas que nós tanto quisessemos que fossem apagadas realmente o fossem iriamos sentir a sua falta.
Porque normalmente as que não são apagadas são as que nos fazem crescer, que marcam (sofrendo e rejubilando)...
Todas as pegadas que são apagadas pelo mar talvez não sejam importantes. (Se fossem nunca seriam apagadas.)
Por muito que doa, às vezes viver com todas as pegadas faz de nós pessoas mais fortes. :)
Beijinhos*

Catarina disse...

muito giro e verdadeiro.

Mara disse...

«Existem pegadas que o mar apaga. Outras que não...»

Lá no fundo são essas que interessam...

Inês disse...

Apesar da (aparente) simplicidade, deve ter sido dos teus melhores posts :') Perfeito mesmo, Afonso!

*

Joli disse...

Às vezes é bom essas pegadas não se apagarem, aprendemos muito com elas.

Luís Gonçalves Ferreira disse...

Quem dera que todas as máculas da vida fossem tão simples de apagar, como aquelas que deixamos na areia, para o mar tornear, sacudir e fazer desaparecer. A vida é bem mais complexa que esse singelo movimento.

Mas, como já disseram em cima, que seria a vida sem essas recordações (boas ou más), pensamentos sofridos mas autênticos?

Abraço,
Luís Gonçalves Ferreira

Ana Monteiro disse...

Sabes a música que tens agora?
É a música do meu ano passado. Cantei-a várias vezes em festas da escola e faz-me chorar quase sempre de emoção, de felicidade.

As pegadas, Afonso? São sinónimo de caminho feito. Oito meses depois muitas foram feitas, muitas foram apagadas. Tu ainda estás de pé, a olhar o mar.

Desfruta.

<3

Alexandra disse...

com o tempo as pegadas vão desaparecer, nada é eterno.
(aulas muito bem rentibilizadas :b)

Beijinhooo *

Catarina disse...

há pegadas que deviam durar para sempre.

Rute' disse...

Lindos versos, linda foto*

Porcelain Doll disse...

Nem é preciso que ele as apague... precisa apenas que as transforme...

Bj

Pêjotinha' disse...

Primeiro de tudo vamos constatar a tua teimosia e casmurrice :b e a minha vá... shhhh! (a)

Segundo, as pegadas ficam, permanecem sempre... Mas só aquelas que decides guardar. Sentes-lhes os contornos, a profundidade... suja as mãos de areia. Nenhum grão é igual ao outro. Ás vezes arranham, noutras de tão macios assemelham-se a veludo... Suja porque vais precisar de saber de que é composta essa pegada que tanto ambicionas guardar. Não esperes que o mar venha e te ilustre quais valem ou não a pena.
Vai! Suja as mãos vê que matéria combina contigo. Deixa que o mar te dissolva também. Aos poucos e poucos... Todos somos compostos de areia. Desgastamo-nos e voltamos a completarmo-nos como se construíssemos castelos na areia...
A erosão é inevitável mas as obras de arte valem a pena. Vai! Suja as mãos :)
(as pegadas eternizam-se porque passam a compor-te, fundem-se em ti... e a determinada altura já não as saberás distinguir de ti...)

baby piggy disse...

Balofo, os teus sonhos?

Leto of the Crows disse...

As aulas são sempre muito inspiradoras xD

A foto ficou fantástica ^^

Beijinhos!