sábado, 8 de janeiro de 2011


Sexta-feira, Sete de Janeiro de 2010



«E se eu for diferente das pessoas normais e procurar a felicidade, não em si, mas na forma arriscada de a perder, entre a mesma e a tragédia que a envolve, na incessante insatisfação de querer novas e mais sensações? E se a minha felicidade e a minha liberdade dependerem incondicionalmente do vento e da sorte, fazendo da minha vida uma constante de inconstância à deriva da metamórfica busca de algo que complete o vazio que se vai criando em mim? Num momento sou tudo por quem amo e no momento a seguir sou nada para as mesmas, debaixo de um negro céu de nuvens grávidas de lágrimas. Também para mim, num momento sou tudo e noutro já não sou nada. Às vezes pareço uma doença incurável.»

Afonso Costa

8 comentários:

Gabs disse...

És somente humano :)
É um prazer ler-te Afonso. Um beijo.

Anónimo disse...

é simplesmente fantástica e incansavel a maneira como escreves.
um beijinho
Ana

Paula disse...

Ser assim é ser tu. Tal como não conseguir correr esse risco é ser eu. (:

Paula disse...

Ser assim é ser tu. Tal como não conseguir correr esse risco é ser eu. (:

Anónimo disse...

devias ter um Tumblr :B

Catarina disse...

Ser diferente do suposto normal é o melhor *
Gostei da musica

Pés de bailarina disse...

Só é incurável se assim o quiseres Afonso.

Vou estar atenta ;)

Danii disse...

wow, adorei! Escreves muito bem :)