terça-feira, 12 de outubro de 2010


"O passado não reconhece o seu lugar: está sempre presente."
Mário Quintana


«Eu vou contar-te um pequeno segredo que vai ficar entre nós dois... Naquele dia que a revi, julgava estar demasiado distante emocionalmente de toda a crónica de amores perfeitos que ambos vivemos, contámos e recontámos, mas, mais uma vez, pude concluir que a filha da mãe da vida gosta de nos trocar as voltas. Sinto-me incapaz de voltar a gostar dela, nem sequer possui já aquelas características que me faziam suspirar de orgulho e devoção por ela. Seca, apagada, com muito pouco brilho, assim me apareceu à frente, anos e anos após a última troca de olhares. Não obstante, existe, indubitavelmente, algo que nos ata um ao outro, como um cordão umbilical invisível feito de aço inquebrável... Resumindo, da forma mais simples que posso fazer: num momento a dois, frente-a-frente ou lado-a-lado, eu sou eu, ela é ela, somos nós, aqueles que foram outrora 'um só'. É impossível esquecer isso, não é?»

Afonso Costa, 'Ensaios sobre o (meu) amor'

10 comentários:

JL disse...

gostei afonso

Anónimo disse...

ly

Inês disse...

É. Mas podes guardar a memória, construir novas por cima, e com o tempo só te lembras dessa quando te apetecer, assim de vez em quando.

Pra variar, boa escolha musical:)
*

Paula disse...

Um amor nunca se esquece...pode ficar adormecido e não mais suscitar batimentos mais fortes e suspiros profundos mas o nós que outrora existiu quando marcado não se esquece!

(:

Alexandra disse...

Olá,
Quero convidar-te para acompanhares o blog www.desistir-nao.blogspot.com :) Visita e deixa a tua opinião!

Beijinhos *

- joanarocha disse...

adorei .

Beatriz disse...

Gostei!:)

qel disse...

«(...) mas, mais uma vez, pude concluir que a filha da mãe da vida gosta de nos trocar as voltas (...)». Se te contasse as vezes em que ja cheguei a essa conclusao, Afonso, nao o conseguiria fazer, acredita..
«Sinto-me incapaz de voltar a gostar dela, nem sequer possui já aquelas características (...). Seca, apagada, com muito pouco brilho, assim me apareceu à frente, anos e anos após a última troca de olhares. Não obstante, existe, indubitavelmente, algo que nos ata um ao outro, como um cordão umbilical invisível feito de aço inquebrável...». A vida é uma filha da mae e, ao mesmo tempo, safada que nem um rato. Ficam sempre réstias de um qualquer cordão umbilical. Ou porque foi mal cortado, ou porque a mola nos escapou, ou porque preferimos guarda-lo num frasquinho connosco, ou pela simples razao de ter puramente existido, ou nao tivesse ele sido parte de nós, ou nao nos tivesse ele oferecido alimento outrora. Um beijinho *

Poppins disse...

Magnífico, devo dizer.

Patricia disse...

o verdadeiro amor, fica para sempre em nós :) gostei imenso