quinta-feira, 18 de fevereiro de 2010


"Se fosse para escolher entre ti e o sorriso, escolher-te-ia a ti, pois sem ti eu não posso sorrir"

Do leve crepitar do chão aquando do bater do mar nas rochas ao maior terramoto já alguma vez sentido, da leve brisa que passa ao pôr-do-sol ao mais terrível furacão já alguma vez visto, da miúda chama de um fósforo ao fogo que este planeta encerra debaixo da sua terra, da mais exígua afecção ao mais nobre e verdadeiro amor ou, talvez, à mais desmedida paixão, encontra-se, talvez perdido em mim ou talvez perdido algures no universo, algo que é quente mas que não é chama, algo que me faz tremer mas não é o mar nem a terra viva, algo que me faz sentir, não somente o vento, como todas as grandes forças da Mãe-Natureza, mas que não é o vento nem tampouco um furacão, não é uma tempestade, nem será um vulcão, não é, sobretudo nada humano, nem se prende com paixão… Será amor?

Afonso Costa

7 comentários:

Catarina disse...

Tenho um (pequeno) prémio para ti no meu blog.
Beijinho

Paula disse...

Há perguntas cuja resposta se encontra num olhar, num gesto...quem sabe bem ao nosso lado, basta estar atento. (:

Moonlight disse...

Afonso,

Lindoooooooooo!
Será Amor....?

Bj com luar

Mara disse...

Eu apostava bem que sim ;)
Afinal, que outra força nos move tão irracionalmente e tão abruptamente como o amor?

Million disse...

Afonsoooo! Sabes? Amei o texto! Tens um dom enorme que te faz brincar de mansinho com as palavras que escreves. E sabes outra coisa? Adoro a música que aqui puseste, e tu ja sabes porquê...
E o final do texto está...algo de nos por...speechless...

Million disse...

Afonsoooo! Sabes? Amei o texto! Tens um dom enorme que te faz brincar de mansinho com as palavras que escreves. E sabes outra coisa? Adoro a música que aqui puseste, e tu ja sabes porquê...
E o final do texto está...algo de nos por...speechless...

Viagem Afora disse...

Afonso,
Lindas palavras e o post ficou bem legal
Abs