segunda-feira, 30 de novembro de 2009


Parti porque estava na hora...

Fiz as malas, pus-me a caminho. Deixaste de ser a lágrima que me escorre no momento da despedida, porque apesar do tempo lá fora, cá dentro chovem verdadeiros sorrisos. Olho para trás e orgulho-me da luta travada. Agora que sei quem sou, compreendo que existem páginas da nossa vida que nos servem de introdução, de treino, talvez para que possamos dar um próximo passo. Agora, Dezembro está aí, e quero aterrar da melhor maneira num novo ano. Porque há momentos em que é necessário compreendermos novas fases na nossa vida.

34 comentários:

Paula disse...

Partir é bom. Aterrar é melhor.

'Agora sei que sei quem sou, compreendo que existem páginas da nossa vida que nos servem de introdução, de treino, talvez para que possamos dar um próximo passo.'

Talvez tenhas mesmo razão. E existam coisas, momentos, histórias, que nos servem mesmo de ensaio para uma peça principal, para nos conhecermos. Quem sabe para darmos um próximo passo. Sem querer desvalorizar nada.

P.s- não existem dois sentimentos iguais isso é apenas ilusão. Contudo essa ilusão deixou-me tocada. ;)

Silvana disse...

"Porque há momentos em que é necessário compreendermos novas fases na nossa vida."
Não podia estar mais de acordo.

Temos que enfrentar novas étapas, fazer novas viagens...
espero que isso corra bem :) vai em frente e segue o teu caminho.

Paladar disse...

Tens toda a razão, tudo na nossa vida nos serve de "introdução" - até os pequenos pormenores - dificilmente cometemos o mesmo erro duas vezes.
À que lutar, na próxima página tudo vai ser melhor.

Patricia disse...

Há sempre uma força dentro de nós, que nunca chegamos a conhecer verdadeiramente, mas que quando há estes maus momentos, os momentos em que não sabemos se temos que partir ou ficar, essa força vem ao de cima com tudo o que há para dar, e sem darmos por isso, acabamos por cair no esquecimento de tudo.. : )

Adoro o teu blog, e a música, faz qualquer pessoa voar *

Margarida C' disse...

"Agora sei que sei quem sou, compreendo que existem páginas da nossa vida que nos servem de introdução, de treino, talvez para que possamos dar um próximo passo."
Adorei, identifico-me muito com esta frase :)
Beijinhos

Maria Francisca disse...

Meu Afonsinho, este texto é muito tu, sabias?
Também preciso de partir, ou então já parti, não sei.
Só sei que também faço essa 'reflexão' no final de cada ano, para que acabe limpo e sem imundices. *

* Jacklyne disse...

Eu também gostei muito dos teus textos, escreves muito bem :)

- jezebel disse...

Precisamente (;
novo ano, vida nova ;p

Mara disse...

Inspiras-me sempre, Afonso.
Não têm sido nem de longe os melhores tempos da minha vida.
Quem sabe se o novo ano não me traz essa chuva de sorrisos :)

Mary disse...

A aterragem, vai marcar um inicio de um novo ciclo para ti, novas aprendizagens, novos sentimentos, novos cheiros, novas cores, enfim, um mundo 'novo' à tua espera. Beijinhos

ashley. disse...

Gostava que o «sempre» existisse mas depende das duas pessoas e não de uma.

Deixas-me sempre sem palavras com os teus post's, sabes? São bonitos, gosto imenso mas pronto.

Anónimo disse...

a coisa melhor de andar randomly por blogs é de vez em quando acertar num texto que nos liberta de alguma coisa...um peso, um sentimento de mágoa e de sufoco...Há que saber partir de forma decente. Há que saber erguer a cabeça e seguir um novo caminho.E este texto , a mim, mostra-me isso. Se tudo fosse feito para durar sempre, não existiam pontos finais para criar uma nova linha e terminar a anterior, e não haveria morte para travar a vida. Tudo tem um sentido, nós é que por vezes trocamos os significados das coisas de acordo com o que inconscientemente desejamos...parabéns pelo texto.

carpe diem

JOANA SOUSA disse...

Talvez sim, talvez não :/

JOANA SOUSA disse...

Receio que não. É a vida (:
Boa perspectiva neste texto!

filipa disse...

está lindo Afonso. Há que fazer as malas e viajar. Sempre *

eduarda disse...

é com esse pensamento que deves entrar no novo ano, tu e todos nós :P *

Rita da Maçaroca disse...

Amei a imagem...
Amei a escrita...
Amei a música...

:D

*Ariel* disse...

Também estás de coração como o frio lá de fora? :(


Mesmo partindo, levas-te a ti contigo: pedaços de ti é que vais deixando aos que contigo não vão ainda depois de lhes pedires..

*Ariel* disse...

Também estás de coração como o frio lá de fora? :(


Mesmo partindo, levas-te a ti contigo: pedaços de ti é que vais deixando aos que contigo não vão ainda depois de lhes pedires..

Ana Monteiro disse...

Adoro finais de ano, adoro, adoro! Adoro ter desculpa para acreditar, para recomeçar. Fazer listas, criar expectativas, reinventar-me!

Afonso, gosto de te ver numa nova fase.

R. Branco disse...

Este texto está perfeito. Eu também quero aterrar num novo ano como tu: está na minha hora, não achas?
Espera por mim do outro lado da linha :)

Catarina disse...

aterra, aterra muito bem, isso é o mais importante :D
beijinhos

[ rod ] ® disse...

partidas e chegadas... um desafio a cada minuto que passa... o ante ao porvir... sempre a nos desafiar e nos fazer crescer... abs meu caro.

☆ Feitio'zinho ☆ disse...

Gostei ;)

Um BEIJO*

carolinaduarte disse...

cada vez percebo que tudo tem um «tem que ser». afinal muito do nosso passado reflecte no nosso presente, e é melhor guardar só o melhor.

obrigada pelo comentário :D

adorei o teu blog, vou seguir*

Inês de Carvalho disse...

Obrigado pelo comentário, mas lindo, lindo é realmente o que tu escreves :)

beijinho, vou-te seguir*

Sóniia disse...

"Agora que sei quem sou, compreendo que existem páginas da nossa vida que nos servem de introdução, de treino, talvez para que possamos dar um próximo passo."

sim, concordo plenamente contigo. (:
um óptimo texto *

Qel disse...

este cheira ao que eu chamo reflexão de final de ano. Parece que chega a dezembro e ficamos todos um pouco mais pensativos, nostálgicos até. Fazemos uma retrospectiva do ano que passa e das pessoas que mais o marcaram (algumas delas nem sequer têm essa noção), do que aprendemos e do que ficou por fazer. Acho que até aprendemos, de certa maneira, a perdoar tudo e adoptamos uma espécie de "o que lá vai, lá vai" como lema. E desculpa se me alonguei muito e se até dispersei um pouco do tema, mas lembra-me tudo isto e este cheira bem :)
Ah! E obrigada, mesmo, pelas palavras. Propocionaram-me um sorriso e uma sensação de poder, mesmo. *

Liii disse...

Chega sempre a hora de partirmos, de seguir- mos com a nossa vida sem olhar em nosso redor. Pensar nem que seja um minuto em nós. E, todos temos o direito de partir para uma nova vida, uma nova viagem na nossa vida.

Parabens, adoro os teus textos afonso =)

cassius disse...

têm uma qualidade horrível, mas obrigado :)

em relação ao post, percebo tão bem ._.

Martina S' disse...

Obrigada :)
Também gostei do teu texto. Só poucos o sentem, não?

Vive o momento agora, Afonso.
"Fiz as malas, pus-me a caminho."

Luz disse...

Ao ler estas palavras sentia-as como "minhas", pois neste momento é exactamente como sinto. São momentos como este que constituem muitas das fases da vida pelas quais passamos em que temos este discernimento e, isso é muito importante, saber qual o momento para o próximo passo, um passo que, por vezes, é dado a dois, outras temos que seguir sozinhos...

Abraço com Luz

Brid disse...

Não há nada melhor que respirar de alivio e liberdade, e seguir em frente, numa nova fase. Força :)

incógnita disse...

gostei muito do texto, está perfeitinho