terça-feira, 17 de março de 2009

Problemas

Ter problemas é inevitável, ser derrotado por eles é totalmente opcional.


Foto: 12 de Março - Parque das Nações, Lisboa

O conceito de problema é relativo e varia de pessoa para pessoa. Existem pessoas para as quais um problema é não ter dinheiro para comprar uma peça de roupa de que gostam muito. A tendência é, para alguns, de criticar estas mesmas pessoas: "grande futilidade!" Mas é um facto, que para essas pessoas não poderem comprar uma peça de roupa é um problema. Não podemos criticar o seu conceito de problema, assim como não podemos criticar uma sociedade em que a poligamia é aceite. Na nossa sociedade não é aceite, e para nós essa ideia é inconcebível, mas como é óbvio, parte de nós querer ou não respeitar as sociedades em que a poligamia é aceite. Seguindo esta linha de pensamento, e em suma, o que para ti é um problema para outra pessoa pode não o ser, e vice-versa.
Depois, há ainda aquelas pessoas para as quais um problema é não ter o que comer, ou aqueles casos em que crianças que são vendidas todos os dias pelos pais para a prostituição, ou mulheres que são espancadas diariamente pelos seus maridos...

Para mim, estes são os verdadeiros grandes problemas. Mas repito, este é o meu conceito de problema, e cada um de nós tem o seu. Por mais que tu aches um pouco estapafúrdio que hajam pessoas que considerem como um problema não terem comprado uma peça de roupa, eu repito, essa é a sua visão, e apesar de todos vivermos debaixo do mesmo céu, ninguém, mas ninguém tem o mesmo ângulo de visão do horizonte, que apesar de tudo, é o mesmo para todos. No fundo eu respeito a visão de cada um. Até porque talvez já tenha passado por uma ou outra situação em que tenha considerado como problema alguma coisa que seria de menor importância para outros, como ter ficado chateado por não ter ido a uma festa, ou por não ter comprado a tão maravilhosa camisola que andava para comprar há meses. "Quem nunca pecou, que atire a primeira pedra". De facto, não constitui para mim um grande problema, mas naquele momento foi um problema. Agora... tudo depende de como encaramos os problemas. Eu prefiro dar importância aos grandes problemas, e com eles eu vou fortalecendo a minha experiência de vida, construindo andar após andar, lições que ficam para toda a vida. Quero chegar ao céu, olhar para baixo e ver como por baixo de cada problema construí mais um andar.

[Conversa a de hoje interessante. :) ]

7 comentários:

- disse...

adorei o teu blog !

Alexandra disse...

E eu gostei da maneira como tu terminaste, a última frase está linda! *.*
Cada um tem a sua visão de problemas é certo, e isso depende das prioridades que cada pessoa tem, pelo menos eu encaro desta forma.

Beijinho *

Joli disse...

Sim, cada pessoa tem o seu conceito de problema, mas há certas pessoas... epah, nem sei descrever. A futilidade é uma coisa tão banal nos dias de hoje que até mete dó. Mas enfim... como sempre, gostei muito do texto! :D

eheh

AnaLuísa disse...

toda a gente tem os seus problemas, e quer sejam pequenos ou grandes ninguém tem de atirar pedra alguma, porque esses não deixam de causar sofrimento à pessoa .

olha, eu gostei foi do fim !

Quero chegar ao céu, olhar para baixo e ver como por baixo de cada problema construí mais um andar.

vou seguir :) *

Daniel Silva disse...

Oix

Devias ter a opção "seguir" activa para acompanhar automaticamente o teu blogue. Pareces-me interessante. Mas tenho de o explorar melhor...

Hugs :)

ParadoXos disse...

plenamente de acordo contigo Afonso!

abraços

Mai disse...

Oi, querido.

Esta tua foto está um espanto em perspectiva e na genialidade do olhar.

Afonso precisas levar a arte de fotografar bem a sério. Tens um olhar raro. Pensa nisto.

O texto eu sou suspeita porque te acho inteligentíssimo. Maduro demasiado para a idade que tens.
Por fim, és um escritor. Um artista, mesmo.

Carinho,

Mai