sexta-feira, 6 de fevereiro de 2009

River Flows In You



Lembro-me de em pequeno fazer um castelo de cartas, e pensar que poderia bater um recorde de altura, sem que as cartas pudessem cair. Hoje pouco mudei. Continuo a juntar cartas, aspirando a um lugar bem alto, e por vezes consigo lá chegar. Vanglorio-me do que conquistei. Porém, o castelo volta a cair, como caía quando eu era pequeno.
É frustrante ver tudo caído no chão, enquanto penso em desistir de voltar a reconstruí-lo. "Não desistas!" Eu gosto particularmente quando, ao reconstruir, reparo que já estão construídos dois andares de cartas. Penso: "Porra, tá a andar bem". E sorrio.
Tudo isto, mais uma vez sem pensar que dali a pouco, o terceiro andar ou mesmo o quarto, possa levar tudo a perder... E tudo volta ao mesmo.
O que é a vida senão um constante reviver de experiências?

Por vezes cansa.
Principalmente quando não se sabe porque razão deitámos tudo a perder. Uma razão dali, outra dali, e parece que tudo desaba ao mesmo tempo: família, amizade, amor, escola/faculdade, etc.
Mas hoje reconstruí um novo andar e agora... nem a mais pequena brisa a deita abaixo. :)

(Um grande bem haja à minha amiga Mary, que me doa músicas giras pro blog) xD

5 comentários:

Mai disse...

Gosto do que escreves e das reflexões que propões.
Castelos de cartas...
O sol se põe aqui e nasce no Japão.

Beijos.
Não esquece de quem és e do quanto vales.

Beijo-te.

Sê feliz, Afonso.

Davi(d) disse...

Gostei desta reflexão e do final que deste. Pelo menos, sentes-te forte :)

Anne disse...

Por vezes, não devemos pensar que as cartas vão cair ao chão. Que as ondas vão destruir o castelo de areia. Que a vida vai desabar e que vamos deitar tudo o que conquistámos a perder. Por vezes devemos apenas concentrar-nos em construír o castelo. Em construir aqueles dois andares de cartas. A felicidade encontra-se no próprio acto de construir. Quando finalmente chegamos ao nosso destino pensamos: «E agora?» E percebemos que afinal o que realmente valeu a pena foi a viagem em si. Não desistas! Como sabiamente citou Samuel Beckett: "Tenta. Fracassa. Não importa. Tenta outra vez. Fracassa de novo. Fracassa melhor." ;)
Beijinho

Alexandraa disse...

E quanto mais andares construires,
E mais eles desabarem,
Voltares a insistir,
E de novo outro contruires,
Mais forte serás,
E mais forte a brisa corre,
Com mais força ela bate.
Mas o teu andar não desabará
Enquanto tu não deixares.


Não está grande coisa, mas li mais outro texto teu e gostei muito.
Se não te importas, já sou seguidora do teu blog ^^

E já agora obrigada pelo teu comentário. E como resposta: sim, talvez um dia consiga dar o passo em frente que é preciso.

Um beijinho*

'stracciatella disse...

Quando era pequena, também eu construía castelos de cartas. Já nessa altura, nada me perturbava mais do que alguém que se aproximasse, de mansinho, e derrubasse tudo aquilo que já havia construído.
Hoje, sinto.me exactamente da mesma forma. É como tudo dizes: 'um constante reviver de experiências'...

Gostei muito de tudo aquilo que aqui li. :)

'stracci