segunda-feira, 9 de fevereiro de 2009

A chave...
"nós somos perguntas, não somos respostas. e quando descobrimos as respostas, mudam as perguntas..."
António Lobo Antunes


eu sabia que não conseguias. foste buscar de novo a chave, voltaste a rever as fotos, a ver tudo de novo? - sim. - e vais seguir em frente, mesmo que isso signifique a tua auto-destruição? - vou. - e porquê? - sabes bem que não sei porquê. - não sabes porque não queres saber - como as coisas mudam... - nada é eterno. - por essa perspectiva, esta situação também não é eterna... - resta saber quanto tempo queres que ela dure. - o tempo que for necessário até perder, ou vencer - a vida não é um jogo, e a tua felicidade depende de decisões feitas na hora certa. e esta é a hora certa. - é a hora certa porquê? - e se estiveres a perder tempo demais com coisas insignificantes? - chama-lhe coisas insignificantes... - cada um dá a importância que acha que deve dar àquilo que faz da sua vida. se para ti é importante, força. - não tenho mais nada a perder, acho que já perdi o que me era mais importante. - podes perder outras "coisas" igualmente importantes. - então vê por outra perspectiva. a lua, a terra e todos os outros nove planetas constituem por si o sistema solar; mas que seria deles sem o sol? - há outras estrelas... - mas longes e impotentes para todos aqueles planetas, não é? o sol não se pode apagar, senão os outros planetas correm o risco de "morrer". agora aplica isto a mim. - precisas mesmo de tudo isto...? - oh se preciso! como preciso... - e não consegues mesmo esconder aquilo que sentes... - aquele olhar conquistou-me, vai ser impossível esquecer tão verdes olhos... esconder? não... apetece-me gritar aquilo que sinto, não esconder... não mesmo.

18 comentários:

Joaииa♫ disse...

Amei o texto!! :D

Continuaa...

Inês disse...

Não escondas Afonso, nunca escondas! Não serve de nada... porque por muito que escondas dos outros, tu sentes na mesma.

Segue o teu coração, por mais errado que ele possa estar. E eu acredito que os corações não se enganam... quanto muito, deixam-se levar.

Um beijo enorme :)

Ana Monteiro disse...

A música, Afonso. A música! Gostei mesmo.

Insignificância é tão relativa.

*

P.S.: Plutão já não é planeta. :$

Ana Pliim disse...

Adorei :)

Afonso disse...

Obrigado pelos comentários.

Ana, quando eu estava a escrever os "nove planetas" pensei nisso. Mas para mim Plutão continua a ser planeta. Deixei estar. :P

Carla disse...

então o melhor é mesmo não esconder...mesmo que daí novas perguntas surjam, para as quais nem sempre temos resposta
beijos

V disse...

lobo antunes, o about mim baseia-se nesse excerto :) vou seguir *

V disse...

o meu about me *

Catarina disse...

todos temos a noção de que nada é eterno, nada pode ser eterno.

beijinho*

filipa disse...

Não escondas nunca aquilo que faz de ti um ser humano completo.
A eternidade depende do significado que cada um de nós dá às várias coisas da vida... e esse sentimento, para ti, é eterno!

Parabéns pela tua escrita*

Beijinho, Afonso.

(diz-me o nome desta música, porque a conheço de algum lado e não sei quem a canta sequer :$)

baby piggy disse...

:| WOW!

Sugarcube ♥ disse...

Texto absolutamente perfeito :')
Beijinho *

Sugarcube ♥ disse...

E eu posso dizer que ainda os tenho, mas falta-lhes alguma coisa :x *

Sugarcube ♥ disse...

Já me conformei com isso e parece-me que agora está a voltar, aos poucos, mas está.
O sentimento ainda existe ou são apenas as saudades? :x

Sugarcube ♥ disse...

Se o sentimento ainda for mútuo há sempre esperança de que tudo volte. Boa sorte, espero que esse fim não seja mesmo para sempre :p *

diana disse...

Este texto teve assim algo de especial para mim. Identifiquei-me tanto, tanto com ele.

:)

Alexandraa disse...

Sei que cada um tem uma interpretação diferente de cada texto, mas este tenho que dizer que me identifico especialmente com cada palavra. Quase que parece que foi escrito por mim. Mas isso nao é verdade, a tua filosofia de escrita é especial e única. Parabéns!

Um espectáculo, a sério.

(E peço desculpa mais uma vez nada tenha sido um abuso).

code disse...

parabéns pelo espaço que tens aqui.

abraço,
André.