quarta-feira, 7 de janeiro de 2009


Who are you? Where did you come from?
I don't know you anymore...





Por um puro instante, virei-me para trás, atónito, deslumbrado... O rebentar de algo que representava uma extasiante força da natureza, força que se erguia como o sol durante a manhã, força vital, de vida, de amor, de esperança, de segurança, certeza, prazer, paixão, harmonia.....

Por um mero instante, deixei o que estava à minha frente e continuei, especado, observando todas as tonalidades que todo aquele inebriante e envolvente momento criavam, despertando algo de tão maravilhoso dentro de mim.

Por um mero instante, deixei de ouvir quem estava à minha frente... Cego, surdo, mudo, viro-me para trás e espero por um novo rebentar. Toda aquela força da natureza alimentava-me de tudo aquilo de que eu precisava naquele momento. O que estava à minha frente passou a estar atrás, e eu deixei de ouvir os murmúrios.

Por aquele puro instante, tudo o que vi, senti, ouvi alimentou um sonho inexistente, envolvente mentira de puro espectáculo magistral de uma força que me iludiu durante meros segundos. Aquela força que se erguia como o sol numa brilhante manhã de céu limpo não tardou a se recolher, como o sol, no seu pôr ao fim do dia... Com a sua inigualável força de sucção, sou arrastado mar adentro.

Chegado a terra, olho em redor... Da rebentação, restou uma pedra, um coração de pedra. Veio parar às minhas mãos naquele momento.

Apanho-o e dou os passos suficientes para trás, de modo a não voltar a ser arrastado. Não consigo pensar em mais nada...

Nada.

(Onde estás tu que conheci?)

2 comentários:

Mai disse...

Olá, Afonso.

Há uma letra de música que gosto muito e diz assim:
"É sempre bom lembrar, que um copo vazio, está cheio de ar..."

E sempre penso que a imensidão do mar, nada contém...
Que o imenso do amor que eu sinto, nada contém...

E se é assim, se for mesmo assim e, eu não for uma tola-boba.rss

O que contém? Quem nos contém? O que nos contém?

E, sigo pensando sobre a belza do mar, as belezas do amar e, para que eu possa contemplar e me sentir, em meio a tudo isto, precisarei ESTAR VIVA!

Ai, querido, eu escolho sempre viver.

Óbvio, continuo uma 'amadora' sem conserto, mas contemplo o mar, a luz de um luar, VIVA e ALEGRE em meu viver, apesar das bombas que caem, em Gaza ou perto de mim...

Beijos, Afonso.
És lindo!

Se esta foto for tua, me manda? adorei!

Raquel* disse...

Nao te quero triste*!
:x
outra vez?! :(
custa de te ver assim...
e nao puder fazer nadinha*
:S
Sempre aqui para tudo!*
Segue o teu coração!*
pensando em simultanio com a cabeça!*
:p

Beijinho*