quinta-feira, 4 de dezembro de 2008

Porque há tempestades que teimam em não passar?
Porque quando tento sair da mesma, ela me persegue?

Porque o ser humano, tal como qualquer outra coisa que exista, necessita de bases para sobreviver, e quando lhe as tiram ele sente-se sem chão, sozinho, desamparado.
Porque por mais gente que me rodeie, só algumas pessoas fazem relativamente a diferença.
Porque no meio das pessoas que fazem a diferença, algumas dessas pessoas se afastam quando mais preciso, e a mais importante de todas me falta.
Porque acredito que é preciso sorrir à vida para que ela nos sorria, e no entanto quando o faço sou retribuído com o que não esperava receber... O que parecendo que não, faz toda a diferença.

Problemas, verdadeiros problemas têm as crianças de África que passam fome, ou aquelas que na Índia são vendidas pelas próprias famílias, as mulheres que são espancadas todos os dias pelos maridos, e ainda aqueles que em pleno século XXI são brutalmente escravizados... Porém, eu também tenho os meus problemas, por mais pequenos que possam ser, assumem uma dimensão pessoal e uma importância que a mim diz respeito. Por isso poucos entendem quando passamos por algum "problema" que nos afecta, porque só nós lhes podemos atribuir significado e importância. É ridículo por isso ouvir respostas como "Isso não é nada, logo te passa. Dás importância a coisas ridículas". Claro que passa, mas às vezes é preferível o silêncio e um bom abraço do que palavras que não levam a nenhuma conclusão e não ajudam em nada. Sem as bases da minha vida não sou nada. E aquelas que me sustentavam praticamente todas ruíram. A vida perfeita, a família perfeita, os amigos perfeitos, os sonhos...

Dizem que depois da tempestade vem a bonança. Vou continuar a tentar procurá-la...

3 comentários:

Mai disse...

Olá, Afonso.

Teu blog ficou ainda mais bonito.
Fotografia belíssima.

O texto com tantos questionamentos, pareceu-me um tanto triste.

Anima-te, na vida, além de tempestades, também nos oferece arco-iris belíssimo.

Carinho, sempre.

Flávia disse...

já me acostumei com as chuvas e trovoadas. acho que daqui a u tempo nem sinto mais o corpo doer de frio.

Beijos, moço.

Raquel* disse...

Afonsinho,
depois duma grande tempestade vês um lindo arco-iris nao ves?
Entao toca a levantar.me essa cabeça! A sonhar com esperança e a lutar, porque quem luta sempre alcança basta que o faça com esperança!
Talvez ultimamente, as coisinhas nao tenham corrido tao bem.. mas elas vao melhorar basta acreditares!
Por vezes as pessoas que mais amamos e mais precisamos afastam.se, cabe.nos a nos por lutar para que isso nao aconteça (quando vemos que isso vale a pena).
Sempre aqui..
por vezes mais ausente
outras mais presente
mas sempre sempre aqui!
Sei que nao te ajudo muito ou quase nada, sei que nao me cabe a mim mudar essas coisinhas que te deixam mal, e te fazem ficar triste! mas podes contar comigo, porque farei o que for possivel para esses olhinhos voltarem a brilhar!*
Beijinho*